Training Quizzes

Exames Teóricos - FPVL

  • Os exames Teóricos da FPVL são compostos por um questionário de teste tipo americano com 50 Perguntas de escolha múltipla com uma só resposta correcta.
  • O tempo total para a execução do exame é de 50 minutos.
  • 10 Perguntas sobre Legislação Aérea e Procedimentos ATC.
  • 5 Perguntas sobre Conhecimentos Gerais de Aeronaves.
  • 5 Perguntas Comportamento e Limitações Humanas.
  • 10 Perguntas sobre Meteorologia.
  • 10 Perguntas sobre Procedimentos Operacionais.
  • 10 Perguntas sobre Princípios de Voo.
  • Cada resposta correcta vale 2 pontos.
  • Cada resposta incorrecta vale -0,25.
  • A soma de cada Grupo é a de 2 pontos por cada resposta correcta e de menos 0,25 pontos por cada resposta errada.
  • O tempo total para a execução do exame é de 50 minutos.

Programa de Instrução Teórica

A instrução teórica estende-se por aulas ministradas em campo, nas fases iniciais do curso, procurando desde logo desenvolver a sua aplicação na prática do desporto.

Matérias em foco

* Regulamento Técnico-desportivo de Voo Livre em Parapente
* Generalidades / Nomenclatura / O voo
* Aerodinâmica / Técnica de voo / Segurança
* Meteorologia / Aerologia
* Legislação aeronáutica / Regras / Regulamentos

Normas dos cursos

Pontualidade :

Na medida do possível o instruendo deve tentar cumprir os horários previstos de forma a não prejudicar o correcto funcionamento das aulas. O curso deverá ser feito com a maior continuidade possível e uma vez feita a marcação, o instruendo compromete-se a comparecer na aula.

Companheirismo e entreajuda:
Para um melhor processamento da instrução prática, cada equipamento será utilizado por diversos

instruendos em simultâneo, ficando o rendimento da sessão dependente da sua entreajuda.

Cuidados com o material: 

Os vários equipamentos deverão ser tratados com todo o cuidado necessário, para que possam ser sempre utilizados em perfeitas condições.

Obediência ao instrutor:
Sempre que não seja possível um esclarecimento imediato, o instruendo deverá obedecer prontamente à indicação do instrutor e só posteriormente expor a sua dúvida.

Comportamento correcto:
A disciplina e o respeito são determinantes no processo de instrução.

Licença de Aprendizagem:

Cumpre à Escola de Voo Livre solicitar à Federação Portuguesa de Voo Livre (FPVL) a emissão da licença de aprendizagem para o aluno e respectivo Seguro Desportivo (opcional caso haja seguro de coberturas idênticas ou superiores aos estabelecidos por lei). Um indivíduo que pretenda tirar um curso de parapente, só é possível ficar federado se frequentar uma escola filiada à FPVL e concluir com aproveitamento o curso. Deverá certificar-se se a escola possui um Instrutor Nacional possuidor de licença válida emitida pela FPVL e respectiva equipa de instrução. Este aspecto deve ser uma das preocupações que todo o aluno deve assegurar antes de iniciar um curso de parapente, se não se certificar sujeita-se a gastar dinheiro sem poder ser federado em virtude de existirem escolas que não estão filiadas.

 

O programa de instrução teórica para Piloto Nível I tem uma carga horária mínima total de 37 horas.

  1. Legislação Aérea e Procedimentos ATC — 10 horas;
  2.  Conhecimentos Gerais de Aeronaves — 4 horas;
  3. Comportamento e Limitações Humanas — 3 horas;
  4. Meteorologia — 8 horas; 
  5. Procedimentos Operacionais — 6 horas;
  6.  Princípios de Voo — 6 horas;

1.2. Programa de instrução de voo de candidatos a piloto – Etapa 1
1.2.1. Programa de instrução de voo em Parapente e Paramotor
1 — Estruturação da instrução de voo:
1.1 — Transporte, cuidados e manutenção do parapente e restante equipamento;
1.2 — Avaliação do local e condições meteorológicas;
1.3 — Planeamento do voo e a importância da elaboração de um plano de voo;
1.4 — Preparação do voo e preparação da asa para o voo;
1.5 — Procedimento antes do voo — preparação, ajuste do material e verificações;
1.6 — Colocação do arnês, ajustamentos e verificações antes do voo;
1.7 — Exercícios de descolagem e colocação do parapente em posição de voo — Inflados;
1.8 — Posição de descolagem e verificações finais;
1.9 — Posição de partida, corrida/ rolagem e descolagem;
1.10 — Interrupção de descolagem em terreno plano e em declive;
1.11 — Descolagem e procedimentos associados com e sem vento e com e sem assistência;
1.12 — Procedimentos após a descolagem e posição de voo;
1.13 — Controlo da velocidade: velocidade de maior alcance, velocidade de afundamento mínimo,
prevenção do voo lento e da perda;
1.14 — Voo lento: reconhecimento da condição e recuperação;
1.15 — Controlo direcional;
1.16 — Voltas suaves e de pequena amplitude;
1.17 — Voltas de 90° e 180° com pranchamento suave e médio. Coordenação das voltas;
1.18 — Voltas de 360° (esquerda e direita): à velocidade normal e à velocidade de afundamento
mínimo; com pranchamento suave e médio; controlo da velocidade; prevenção da ocorrência da
perda;
1.19 — Abatida. Prevenção e recuperação;
1.20 — Perda de pressão e instabilidade;
1.21 — Regras de voo para evitar colisões;
1.22 — Aproximação: cumprimento do procedimento planeado; circuito com perna de vento de
cauda, perna base e final; voltas em «8»; controlo do gradiente na descida, circuitos rectangulares e
correção da deriva;
1.23 — Aterragem de precisão;
1.24 — Aterragem com vento forte;
1.25 — Manobras anti-arrastamento;
1.26 — Situações de emergência: Manobras com recurso às bandas «D» ou elevadores de bordo de
fuga: manobra em «8»; correção à deriva; voltas; voltas de inversão; aterragem; manobra de acordo
com o terreno e outro tráfego; vigilância; (simulação de rotura de linhas dos manobradores);
1.27 — Voo em ascendência orográfica (Só para Parapente); voltas e manobras de direção; correções
e gradiente; prevenção da ocorrência da perda;
1.28 — Técnicas de descida rápida;
1.29 — Aspetos técnicos e de segurança na utilização do motor (Só para Paramotor).
2 — Requisitos de experiência:
2.1 — Um mínimo de 8 dias de voo;
2.2 — Ter efectuado voos a partir de, pelo menos, 3 locais diferentes;
2.3 — Um mínimo de 30 voos satisfatórios, dos quais pelo menos 10 devem ser voos de altitude e um
total de 2 horas de voo planado sem qualquer tipo de ascendência.
2.4 — Perfazer, em 3 a 10 voos, um mínimo de 5 horas de voo em ascendência orográfica.

O programa de instrução teórica Para Pilotos em formação avançada (Nível II) tem uma carga horária mínima total de 18 horas

  1. Legislação Aérea e Procedimentos ATC — 2 horas;
  2.  Conhecimentos Gerais de Aeronaves — 2 horas;
  3. Comportamento e Limitações Humanas — 1 horas;
  4.  Meteorologia — 6 horas;
  5. Procedimentos Operacionais — 4 horas;
  6.  Princípios de Voo — 3 horas;

 

2. Etapa 3 – Formação avançada


2.1. Programa de instrução teórica de pilotos de Voo Livre e de Paramotor em formação avançada
– Etapa 3
O programa de instrução teórica está fundamentado em 6 áreas específicas do saber. Sendo elas:
1 — Legislação Aérea e Procedimentos ATC:
2 — Conhecimentos gerais de aeronaves:
3 — Comportamento e limitações humanas:
4 — Meteorologia;
5 — Procedimentos operacionais;
6 — Princípios de voo:
Sendo os subtemas:
1 — Legislação Aérea e Procedimentos ATC:
1.1 — Regulamentação internacional e nacional; generalidades:
1.1.1 — Breve descrição das organizações internacionais de aviação civil e normativos vigentes:
ICAO, EASA, Convenção sobre Aviação Civil Internacional e seus anexos;
1.1.2 — Autoridade Aeronáutica Nacional: ANAC, I.P.;
1.1.3 — Entidade nacional reguladora desportiva do Voo Livre: FPVL;
1.1.4 — Diplomas legais e regulamentares aplicáveis;
1.1.5 — Dever e responsabilidade;
1.1.4 — Regulamentos da FPVL.
1.2 — Regras do ar — Regras gerais:
1.2.1 — Proteção de pessoas e bens;
1.2.2 — Prevenção de colisões:
1.2.2.1 — Proximidade;
1.2.2.2 — Direito de passagem;
1.2.2.3 — Direito de passagem em circunstâncias especiais (voo nos diferentes tipos de
ascendência — orográfica e térmica).
1.3 — Regras de voo visual:
1.3.1 — Mínimos de visibilidade e distância às nuvens;
1.3.2 — Alturas mínimas de voo;
1.4 — Espaço aéreo e serviços de tráfego aéreo:
1.4.1 — Caracterização, objetivos e competências dos serviços de tráfego aéreo;
1.4.2 — Órgãos de tráfego aéreo;
1.4.3 — Classificação do espaço aéreo;
1.4.4 — Regiões de informação de voo (FIR), áreas de controlo (CTA), zonas de controlo (CTR),
zonas de tráfego de aeródromo (ATZ);
1.4.5 — Zonas proibidas, perigosas e restritas. Rotas militares de baixa altitude;
1.5 — Acidentes e incidentes. Busca e salvamento:
1.5.1 — Definição de acidente e de incidente;
1.5.2 — Comunicação de acidentes/incidentes/ocorrências (Decreto-Lei no 318/99, de 11 de

Agosto, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei no 149/2007, de 27 de Abril e Decreto-
Lei no 218/2005, de 14 de Dezembro);

1.5.3 — Entidades responsáveis pela busca e salvamento;
1.5.4 — Procedimentos e sinalização.
2 — Conhecimentos gerais de aeronaves:
2.1 — Paraquedas de emergência:
2.1.1 — Abertura, inspeção e revisão periódica;
2.1.2 — Cuidados de manutenção;
2.1.3 — Recurso a pessoal qualificado para manutenção e reparação;

3 — Comportamento e limitações humanas:
3.1 — Noções básicas de fisiologia de voo:
3.1.1 — Efeitos da altitude. Hipóxia e seus sintomas;
3.1.2 — Hiperventilação: suas causas e sintomas;
3.1.3 — Efeitos da variação de altitude sobre o ouvido e seios peri-nasais;
3.1.4 — Desorientação espacial e sua prevenção;
3.1.5 — Enjoo e sua prevenção;
3.1.6 — O consumo de álcool ou drogas e o voo;
3.1.7 — Cuidados a ter quando estejam a ser administrados medicamentos. Perigo do abuso de
medicação;
3.1.8 — Fadiga e forma física;
3.1.9 — Constipações e outros problemas de saúde — consequências para o voo;
3.1.10 — Cuidados a ter com a prática de mergulho com escafandro autónomo;

4 — Meteorologia:
4.1 — Movimentos verticais da atmosfera:
4.1.1 — Ascendentes e descendentes de origem térmica;
4.1.2 — Condições para a formação de térmicas;
4.1.3 — Qualidade térmica ao longo do dia;
4.1.4 — Qualidade térmica ao longo do ano;
4.1.5 — Tipos de térmicas;
4.1.6 — Disparadores de térmicas;
4.1.7 — Formação desprendimento e ascensão;
4.1.8 — A influência do vento;
4.1.9 — Influência da natureza da superfície e condições de insolação na génese de ascendentes e
descendentes de origem térmica;
4.1.10 — Inversões térmicas;
4.1.11 — Rotores, turbulência e outras situações associadas aos movimentos verticais da
atmosfera;
4.1.12 — Condições fortes e ou perigosas;
4.2 — Nuvens;
4.3 — Cisalhamentos;
4.4 — Diagramas termodinâmicos;
4.5 — Obtenção e interpretação da informação meteorológica.
5 — Procedimentos operacionais:
5.1 — Preparação e planeamento do voo;
5.2 — Técnicas e procedimentos de voo em ascendência:
5.2.1 — Procura e aproveitamento da ascendência térmica;
5.2.2 — Padrões de térmicas;
5.2.3 — Os efeitos do vento;
5.2.4 — Transições;
5.2.5 — Gama de altitude útil;
5.3 — Performance:
5.3.1 — A qualidade da ascendência térmica;
5.3.2 — A influência das nuvens;
5.3.3 — A influência do vento;
5.3.4 — Evolução das condições ao longo do dia;
5.3.5 — Teoria de McCready;
5.4 — Situações críticas, perigosas e de emergência:
5.4.1 — Causas e identificação das situações;
5.4.2 — Procedimentos na sua ocorrência;
5.4.3 — Acções corretivas;

5.5— Procedimentos a adoptar em caso de incidente ou acidente.
6 — Princípios de voo:
6.1 — Velocidades de operação e desempenho: velocidades de penetração máxima e de afundamento
mínimo; polar de velocidades; efeitos do vento; variação das velocidades em função do peso;
6.2 — Incidentes em voo
6.2.1 — Fecho assimétrico;
6.2.2 — Fecho frontal;
6.2.3 — Perda;
6.2.4 — Perda assimétrica;
6.2.5 — Tumbling;
6.2.6 — Ângulo de ataque; relação com a velocidade do vento relativo;
6.2.7 — Efeito da carga alar na velocidade de perda;
6.2.8 — Aumento do fator de carga com o ângulo de pranchamento;
6.2.9 — Perda a alta velocidade — perda dinâmica;
6.2.10 — Causas dos diversos incidentes;
6.2.11 — Como prevenir;
6.2.12 — Recuperação;

2.2. Programa de instrução de voo de pilotos em formação avançada – Etapa 3
2.2.1. Programa de instrução de voo em Parapente
1 — Estruturação da instrução de voo:
1.1 — Revisão das manobras;
1.2 — Fechos assimétricos (20 % e 30 %), colocação do peso no lado oposto; correção da trajetória
com o manobrador contrário;
1.3 — Fecho frontal;
1.4 — Alteração da gama de velocidades da asa e pré-perda;
1.5 — Voo em ascendência térmica; procura da térmica; detecção de pontos de disparo; entrada na
térmica, voltas e manobras de direcção; subida, correções e gradiente; prevenção da ocorrência da
perda; chegada ao teto e saída.
1.6 — Voo em viagem. Subida em ascendência térmica, saída e transição.
2 — Requisitos de experiência:
2.1 — Um mínimo de 10 dias de voo em ascendência térmica;
2.2 — Ter efetuado voos em ascendência térmica a partir de, pelo menos, 3 locais diferentes;
2.3 — Perfazer, em 3 a 5 voos, um mínimo de 5 horas de voo em ascendência térmica;
2.4 — Perfazer, em 3 voos em viagem, pelo menos 50 km de percurso, com mínimo de 15 km por
voo, medidos em linha reta entre o local de descolagem e o local de aterragem.

Choose the Voucher Option and Pay with PayPal or MB Way

Paying using PayPal 

Choose the option and pay

You will be directed to a safe environment.

Payment can also be made via an MB-Way transfer to 917 251 262

Select the amount to pay

How will I receive the voucher? 

After confirming your payment, we will proceed with the processing and sending of your voucher. We will send your voucher by e-mail in digital format that you can print or forward to the final recipient. 

The voucher will be valid for one year and one day after the billing date.

Thank you for purchasing of the Paragliding Flight Gift Voucher.

For any additional information, you can contact us for this purpose by email or phone +351 917251262